quarta-feira, 11 de agosto de 2010

AGENDE-SE!!!

Release Grupo CEEE - Especialistas em patrimônio irão debater sobre os acervos de arte funerária no RS

No próximo dia 17, o Auditório Barbosa Lessa, no 4º andar do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (CCCEV), irá receber o Fórum Arte Funerária e Patrimônio de Porto Alegre: Monumentos para as Futuras Gerações - conhecer, inventariar e preservar. Com inscrições abertas, o evento tem o objetivo de fomentar o debate sobre o valioso patrimônio das necrópoles O Dia do Patrimônio, celebrado a 17 de agosto, será lembrado, no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (CCCEV), com uma série de debates sobre a importância da arte cemiterial para a preservação da memória dos antepassados. Nesta data, das 14h às 18h, o Auditório Barbosa Lessa, no 4º andar do CCCEV, irá sediar o Fórum Arte Funerária e Patrimônio de Porto Alegre: Monumentos para as Futuras Gerações - conhecer, inventariar e preservar. O objetivo do evento, organizado e mediado por Luiza Fabiana Neitzke de Carvalho, professora da área de Conservação e Restauro da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e doutoranda em História, Teoria e Crítica de Arte na UFRGS, é o de fomentar o debate e a reflexão sobre o valioso patrimônio das necrópoles - ainda desconhecido e sob o risco de ser esquecido. O turismo como aliado da preservação da arte funerária, a legislação como instrumento de preservação da arte funerária e os incentivos fiscais e econômicos para as administradoras que conservam esta herança histórica serão alguns dos tópicos, abordados por especialistas, durante o Fórum. Com inscrições gratuitas, realizadas através do e-mail cemiteriospoa@gmail.com<mailto:cemiteriospoa@gmail.com.br> , o evento é aberto a todos os interessados na preservação dos acervos de arte funerária e a pesquisadores, estudantes, professores e profissionais atuantes em cemitérios, prefeituras e nas áreas de preservação do patrimônio. De acordo com Luiza, que é conselheira fiscal e um dos membros fundadores da Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais (ABEC), os cemitérios constituem uma das mais ricas fontes de estudos e conhecimento. Estes locais guardam as memórias daqueles que edificaram as cidades, reúnem em seus acervos obras de arte das marmorarias, que consolidaram uma movimentada atividade de comércio entre os séculos XIX e XX, reservam experiências de contemplação e vivência a seus freqüentadores e divulgam, através dos epitáfios, diferentes idiomas e culturas. A arte tumular gaúcha guarda peças únicas, assinadas por artistas como Antônio Caringi, Adolph von Hildebrand, Alfred Adloff, André Arjonas, Leone Lonardi, Otávio Correia Lima, Décio Villares e Rodolfo Pinto do Couto. Ela adverte, no entanto, que toda esta riqueza permanece constantemente ameaçada pela ausência de mecanismos efetivos de proteção, quando as obras são dilapidadas pela modernização das necrópoles, pelo desgaste ocasionado pela intempérie e pelo vandalismo. "Em diversos Estados brasileiros, pesquisadores têm relatado a descaracterização e a perda irreparável de acervos, muitas vezes praticamente em sua totalidade. Nos cemitérios, podemos conhecer parte de nossa própria história familiar, quando muitas vezes nos deparamos com nossos antepassados, os quais nunca havíamos visto o semblante antes da emblemática fotografia tumular", explica Luiza, que ainda realiza visitas guiadas aos cemitérios de Porto Alegre, pelo Programa Viva o Centro a Pé, da Prefeitura Municipal, participa da Association for Gravestone Studies (AGS) e é associada na Defender - Defesa Civil do Patrimônio Histórico. Por ocasião do Fórum, haverá a apresentação oficial da carta da problemática do Cemitério São José de Porto Alegre, elaborada pela Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais e pela Red Iberoamericana de Gestión e Valoración de Cementerios Patrimoniales, destinada e entregue à governadora do RS, Yeda Crusius. A carta é um documento de apoio àqueles que defendem a preservação da memória do Cemitério São José, transformado em um estacionamento e em vias de desertificar a parte mais antiga de seu acervo: um conjunto de obras reunidas em um cemitério datado de 1888. O Fórum Arte Funerária e Patrimônio de Porto Alegre: Monumentos para as Futuras Gerações - conhecer, inventariar e preservar é um evento integrante da exposição Arte Imortalizada no Silêncio, projeto de aquarelas e textos de arte funerária, desenvolvido pela artista plástica Laky Gatti e por Luiza, que, além de organizadora do Fórum, é a curadora desta exposição, sediada na Sala Memorial Erico Verissimo, no 3º andar do CCCEV. O Fórum contará com uma mesa de discussão temática, composta por especialistas em arte funerária, arte pública, história da arte do Rio Grande do Sul e patrimônio histórico e artístico, com questões abertas ao público. Irão ministrar palestras o Prof. Dr. Arnoldo Doberstein, professor da área de História da PUC-RS; o Prof. Dr. José Francisco Alves, da área de Escultura no Atelier Livre de Porto Alegre, Ana Beltrami, coordenadora de Área Técnica do IPHAN-RS e Maria Beatriz Kother, diretora do IPHAE. Confira a programação completa do Fórum Arte Funerária e Patrimônio de Porto Alegre 1º Momento Das 14h às 14h30min: Mediação e Abertura: Profa. Drnda. - Luiza Fabiana Neitzke de Carvalho. Professora Assistente no Curso de Conservação e Restauro da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Doutoranda em História, Teoria e Crítica de Arte na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Realiza visitas guiadas aos Cemitérios de Porto Alegre pelo Programa Viva o Centro a Pé da Prefeitura Municipal. Conselheira Fiscal da ABEC - Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais. Participa da AGS - Association for Gravestone Studies. Associada na Defender - Defesa Civil do Patrimônio Histórico. Curadora da Exposição Arte Imortalizada no Silêncio. Site: http://www.marmorabilia.org<http://www.marmorabilia.org/> Das 14h35min às 15h05: Prof. Dr. Arnoldo Walter Doberstein. Professor e Doutor em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). Autor do livro Estatuários, Catolicismo e Gauchismo. Coordenador do grupo de pesquisa do Instituto Cultural Emilio Sessa. Site: http://www.emiliosessa.com.br<http://www.emiliosessa.com.br/> Das 15h10min às 15h40min: Prof. Drndo. José Francisco Alves. Professor da área de Escultura no Atelier Livre de Porto Alegre e Doutorando em História, Teoria e Crítica de Arte na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Curador da 5ª Bienal do Mercosul - Exposições de Amilcar de Castro e segmento de obras públicas permanentes. Autor dos livros A Escultura Pública de Porto Alegre - história, contexto e significado e Fontes d´Art no Rio Grande do Sul - cidades de Porto Alegre, Pelotas e Rio Grande. Site: http://www.public.art.br/wordpress Das 15h45min às 16h15min: Coffee Break 2º Momento Das 16h15min às 16h45min: Esp. Ana Maria Beltrami. Coordenadora de Área Técnica do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do RS (IPHAN). Arquiteta. Especialista em Restauração de Monumentos e Sítios Históricos pelo IPHAN - UNESCO. Site: http://www.iphan.gov.br<http://www.iphan.gov.br/> Das 16h50min às 17h20min: Profa. Dra. Maria Beatriz Medeiros Kother. Diretora do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Estadual - RS. Doutora em Arquitetura pela Universitat Politécnica de Catalunya. Professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). Site: http://www.iphae.rs.gov.br<http://www.iphae.rs.gov.br/> Das 17h25min às 17h55min: questões abertas ao público. 18h: encerramento. Saiba mais sobre a exposição Arte Imortalizada no Silêncio Até o dia 28 de agosto, os admiradores da emotiva representação da realidade sobrenatural própria das necrópoles poderão conferir a exposição Arte Imortalizada no Silêncio, projeto de aquarelas e textos de arte funerária, desenvolvido pela artista plástica Laky Gatti e pela curadora da mostra, Luiza Fabiana Neitzke de Carvalho. A mostra reúne 23 aquarelas, as quais visam à divulgação e à preservação do acervo de arte funerária, encontrado nas necrópoles porto-alegrenses da Santa Casa de Misericórdia e dos cemitérios São Miguel e Almas, São José e Evangélico. Neste trabalho, Laky Gatti retratou importantes obras de arte tumular da Capital gaúcha, a qual abriga um próspero acervo escultórico em seus cemitérios. A arte cemiterial do Estado, que encantou a artista há cerca de seis anos, é produto do intenso trabalho das marmorarias: firmas que movimentaram a produção ornamental tumular entre o final do século XIX e a primeira metade do XX. Destaque em mostras de âmbito nacional e internacional, com aquarelas na França, Alemanha, Suécia e Espanha, Laky Gatti, apresentará, no CCCEV, o resultado de um trabalho para o qual dedicou um minucioso exercício pictórico, cuja finalidade é a de despertar a apreciação e o reconhecimento de uma arte afastada, isolada em um terreno silencioso, discreto e, por vezes, desconhecido. Se no Brasil é lugar-comum relacionar os cemitérios à negatividade e a um mero depósito de cadáveres, onde as visitas limitam-se ao Dia de Finados e velórios, no exterior estes espaços não são considerados tétricos e são vistos como verdadeiros museus a céu aberto e pontos turísticos - a exemplo dos cemitérios da Recoleta, em Buenos Aires, e Père Lachaise, em Paris, e de museus temáticos, como o de Cultura Sepulcral, em Kassel (Alemanha). Laky está entre os poucos que ignoram o preconceito sobre o assunto e cuja sensibilidade alcança a beleza melancólica que adorna os jazigos. A artista plástica conta que o interesse pela arte cemiterial surgiu a partir de uma visita ao cemitério, quando pôde observar atentamente o lado artístico do lugar. "É um tema que, à primeira vista, causa algum estranhamento. As pessoas costumam achar bizarro e querem manter-se afastadas, mas a arte cemiterial é caracterizada por uma delicadeza que mexe com a emoção e, além disso, a história de uma cidade também se traduz pelas imagens dos cemitérios. Em outros tempos, o poderio econômico era muito ressaltado através das homenagens que as famílias abonadas prestavam a seus entes queridos. Já observei vários cemitérios no Brasil. No RS, o de Jaguarão, por exemplo, é riquíssimo em obras de arte", explica Laky, cuja mostra de aquarelas sobre o tema é considerada pioneira no País. "De acordo com a Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais, não há registros de exposições de aquarelas com esta temática no Brasil, onde a arte funerária está mais relacionada à fotografia", acrescenta a artista plástica, que evoca, em suas aquarelas, as esculturas em pedra e metal, contrapostas, na perenidade destes materiais, à fluidez das lágrimas quase visíveis nos rostos de pranteadoras e anjos. Arte Imortalizada no Silêncio tem curadoria de Luiza Fabiana Neitzke de Carvalho, a qual elaborou textos que acompanham cada uma das 23 aquarelas de Laky. Natural de Porto Alegre, Laky Gatti iniciou sua formação artística no Atelier Livre da Prefeitura de Porto Alegre, em 1968. Obstinada pelo domínio da técnica e do desenho, estudou com Nathaniel Guimarães, Jorge K. da Rosa, Valdo Rechelo, Solange Vignole e Plínio Bernhardt, além de ter freqüentado oficinas no Margs e no Atelier Livre. Em 1995, abriu seu próprio atelier, onde desenvolve seu trabalho e ministra aulas de aquarela. A artista tem obras em instituições patrimoniais, como o IPHAE de Paraty, no RJ, e em acervos no exterior. A mostra está sediada na Sala Memorial Erico Verissimo, no 3º andar do CCCEV. O horário de visitação é de terças a sextas-feiras, das 10h às 19h, e aos sábados, das 11h às 18h. A entrada é franca. OBS.: Em anexo, flyer e cartaz do Fórum Arte Funerária e Patrimônio de Porto Alegre, além de reprodução de aquarela de Laky Gatti, intitulada Pranteadora em Bronze. Esta pranteadora é encontrada no Cemitério da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. "As pranteadoras são as representações de mulheres chorosas que guardam os túmulos. Assim como os anjos, possuem também uma ampla gama de retratação em variações de posturas, o que pode agregar sentidos além do pranto eterno e da profunda lamentação. Esta aquarela retrata uma pranteadora em bronze, encontrada nos Cemitérios São Miguel e Almas e Santa Casa, obra do escultor alemão Alfred Adloff (Doberstein, 2002:201). A mulher aqui é representada com a cabeça coberta por um manto, referência direta ao vestuário da antiguidade clássica, característica presente na tipologia das pranteadoras" (texto de Luiza Fabiana Neitzke de Carvalho sobre a aquarela Pranteadora em Bronze). O que: Fórum Arte Funerária e Patrimônio de Porto Alegre: Monumentos para as Futuras Gerações - conhecer, inventariar e preservar. Quando: 17 de agosto, das 14h às 18h. Onde: Auditório Barbosa Lessa, no 4º andar do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, localizado à Rua dos Andradas, 1223, Centro Histórico. Quanto: inscrições gratuitas, realizadas pelo e-mail cemiteriospoa@gmail.com<mailto:cemiteriospoa@gmail.com.br> , com Luiza Fabiana Neitzke de Carvalho.
O que: exposição Arte Imortalizada no Silêncio. Quando: de 3 a 28 de agosto, com horário de visitação de terças a sextas-feiras, das 10h às 19h, e aos sábados, das 11h às 18h. Onde: Sala Memorial Erico Verissimo, no 3º andar do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, localizado à Rua dos Andradas, 1223, Centro Histórico. Quanto: entrada franca.
Assessoria de Comunicação Social do Grupo CEEE Av. Joaquim P. Villanova, 201, Prédio A, Módulo 1, sala 405, Porto Alegre-RS Telefone: (51) 3382.4535 ou (51) 3382-4843. Celular: (51) 8448.8112. 9 de agosto de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário